item1.gif (417 bytes)
item2.gif (369 bytes)
item3.gif (380 bytes)
item4.gif (431 bytes)
item5.gif (758 bytes)

Nutricional
Minerais

Sanitário
vacinas
Vermes e Vermífugos
Os riscos do homem
Manejo Geral
Os lotes
A identificação
A Tropa
Sinuelos
Pastos e Sub-Divisões
Vacas amojadas
Recém nascidos
Mamando
Desmame
Estresse da desmama
Desmame precoce
Recria
castração
Manejo reprodutivo

Reprodução
Fertilidade
Fecundação
Sanidade na reprodução
Cuidados com os machos
Cuidados com as fêmeas
Principais
enfermidades

Brucelose
Leptospirose
IBR-IPV
BVD
Trichomonose
Campilobacteriose
Estação Reprodutiva
Estação reprodutiva de novilhas
Estação reprodutiva
de vacas

Primíparas
Descanso pós parto
Descarte
Idade
A infertilidade e o aborto
Habilidade materna
Reposição de matrizes
Eficiência reprodutiva
Diagnóstico de
gestação

Comentários

Introdução Assistência
veterinária

Cursos de I.A.
Inseminador

Embalagens de sêmen
Pellets
Ampola
Minitubo
Palheta média Palheta fina

0
0

Manejo com o botijão
Distribuição de temperaturas no botijão

Ovários
Trompas uterinas
Útero
Cornos uterinos
Corpo uterino
Colo ou cérvix uterina Vagina
Vulva

Puberdade
Ciclo estral

Pré cio
Reconhecimento do cio
Cio
Momento ideal de inseminacaor
Pós cio
Anestro fisiológico
Anestro
Puerpério fisiológico
Hemorragia de metaestro
Cio de encabelamento
Cio silencioso
Gestação
Intervalo parto-concepção
Intervalo entre partos

Com palheta média, palheta fina ou minitubo
Com ampola


 

6.4.2. PRINCIPAIS ENFERMIDADES DE INTERESSE REPRODUTIVO

As doenças da reprodução possuem peso importante nos índices de natalidade, taxa de prenhez, retorno ao cio, natimortos, entre outros, ou seja, inúmeros prejuízos.

Várias são as enfermidades reprodutivas que acometem os bovinos, porém, o aborto causa maior impacto, mas não é a enfermidade que causa maior perda.

O aborto em bovinos ocorre nos diversos estágios gestacionais e possui diversas causas, de modo que é fundamental o seu diagnóstico. As causas principais são a brucelose, leptospirose, campilobacteriose, complexo herpes vírus, trichomonose, diarréia viral bovina, intoxicações, nutricionais, de manejo e outras desconhecidas.

6.4.2.1. BRUCELOSE

A suspeita da ocorrência de brucelose em um rebanho, geralmente está associada aos abortos no terço final de gestação, sendo uma enfermidade que afeta várias espécies de animais domésticos e silvestres.

Acomete bovinos de todas as idades e de ambos os sexos, afetando principalmente animais sexualmente maduros, causando sérios prejuízos devido a abortos, retenções de placenta, metrites, sub-fertilidade e até infertilidade.

Portanto, quanto maior o número de vacas infectadas (que abortarem ou parirem em uma determinada área), maior o risco de exposição de outros animais do rebanho. É importante fazer o diagnóstico das vacas infectadas e sua remoção dos pastos maternidade antes da parição. Assim, o estágio de gestação e parição, a remoção dos animais infectados, seguidos de vacinação das bezerras (entre 3 e 5 meses), constituem importantes detalhes na forma de manejo.

A brucelose (uma das doenças infecto-contagiosas com maior destaque na esfera reprodutiva) tem como principal via de contaminação, a digestiva; por água, alimentos, pastos contaminados com restos de aborto, placentas, sangue e líquidos contaminados (proveniente de abortos e partos de vacas e novilhas brucélicas).

A transmissão pela monta por touros infectados também pode ocorrer, mas em menor proporção que a digestiva.

A principal característica da brucelose é ser uma doença que afeta os órgãos da reprodução. Através da inseminacaoção também poderia ocorrer contaminação, pois a "Brucella abortus" (agente causador) resiste ao congelamento e ao descongelamento juntamente com o sêmen, mas, o controle sanitário do sêmen envasado nas centrais de congelamento elimina esta possibilidade pois somente reprodutores isentos da enfermidade, entre outras, é que devem ser congelados.

Não podemos esquecer que a brucelose causa sérios danos também aos touros através de orquites e epididimites uni ou bilaterais, podendo levá-los a sub-fertilidade e até mesmo à esterilidade.

Quando os touros se recuperam da enfermidade, podem tornar-se disseminadores, se seu sêmen for coletado sem diagnóstico prévio, e utilizado em programas de Inseminação Artificial.

A introdução de animais infectados, em rebanhos sadios é o caminho de entrada da brucelose na propriedade, mas a manutenção destes animais, é pior ainda (pela propagação entre o rebanho).

Com a doença surgem os abortos, partos prematuros, retenção de placenta, endometrites, orquites, baixando, portanto, a eficiência reprodutiva do rebanho.

A principal característica é o aborto que ocorre a partir do quinto mês de gestação, geralmente acompanhado por retenção de placenta e endometrite.

A vacinação com a vacina B19 (fêmeas entre 3 e 5 meses), geralmente é eficiente para prevenir o aborto, além de aumentar a resistência à infecção, mas não imuniza totalmente o rebanho e tampouco possui efeito curativo.

A percentagem de aborto na primeira gestação de novilhas brucélicas não vacinadas é de aproximadamente 65-70%; já na segunda gestação cai para 15-20%; após duas gestações dificilmente acontece o aborto, mas, aí é que reside o problema, pois estas fêmeas vão parir normalmente. E, a cada parição haverá nova contaminação dos pastos, devendo estas fêmeas serem descartadas logo após o diagnóstico positivo, que ocorre através da coleta de sangue e exames laboratoriais.

Nos rebanhos onde as fêmeas de reposição são basicamente obtidas através de compras indiscriminadas de animais jovens ou maduros sexualmente, o índice de animais positivos e abortos tende a ser elevado, disseminando rapidamente a doença.

A vacina contra a brucelose, com a vacina B19, deve ser feita por Médico Veterinário, sendo que este deve tomar os devidos cuidados para não se infectarem, uma vez que ela é feita com vírus vivo, apenas atenuado. Devem ser vacinados apenas as fêmeas com idade entre 3 e 5 meses, e no momento da vacina , identificar estes animais com marca a fogo no lado esquerdo da cara.

Exames periódicos de amostragens do rebanho devem ser realizados para se ter uma idéia da evolução da enfermidade na propriedade.

Os animais vacinados na época certa, possuem reação "falso positiva" até aproximadamente 30 meses, pelo método de soro-aglutinação rápida em placa (o mais usado pelo seu baixo custo, e que nos aponta resultados muito incertos).

Os animais que, por erro de manejo não foram vacinados, quando do exame não devem reagir, a menos que já sejam "verdadeiros positivos". Daí a necessidade da marca na cara, para diferenciar os resultados de soro-aglutinação.

Animais vacinados tardiamente podem ser ao longo de sua vida "falsos positivos" pois sempre que se realizar o exame, haverá reação positiva.

Nestas situações, deve realizar-se outros tipos de exame que diferenciam reação vacinal de positivos.

O diagnóstico realizado a partir de coleta de material (sangue) próximo ao parto (2 a 4 semanas antes ou depois) implicará em significativo aumento de resultado falso negativo.

Testes de fixação de complemento, rosa de bengala, Elisa, e outros, podem ser usados como diagnósticos mais precisos, mas deve-se levar em conta o custo de tais exames.

É também problema de saúde humana, pois o homem pode contrair a enfermidade (zoonose) através de alimentos e água contaminados pelo contato com fetos abortados, urina, fezes, placenta e carcaças contaminadas, como ainda também pela ingestão de leite não pasteurizado e do queijo, podendo causar vários distúrbios, inclusive a esterilidade.

As medidas de controle são afetadas por uma variedade de fatores, mas através de esforço conjunto, entre Veterinários, proprietários e laboratórios (através de técnicas de diagnóstico confiáveis e viáveis), pode-se estabelecer critérios e medidas de manejo, assim como a vacinação, entre outras, para melhor fazer o controle ou erradicação da brucelose.

6.4.2.2. LEPTOSPIROSE

Causada por diversos sorovares da bactéria do gênero Leptospira.

A leptospirose afeta animais e humanos, causando, principalmente, perdas por abortos em bovinos além de infecções disseminadas pelo organismo. A transmissão ocorre através da urina, parto, leite, abortos, mas principalmente através de roedores e animais silvestres infectados.

A enfermidade apresenta-se geralmente de forma subclínica (sem sintomas facilmente detectáveis), particularmente em animais não lactantes e não gestantes. Manifesta-se clinicamente através de retorno ao cio (aborto precoce- o feto se mostra autolisado (destruído-desmanchado) indicando que houve morte algum tempo antes do aborto), queda na produção leiteira, mastites, natimortos, fetos prematuros e/ou fracos, subfertilidade ou infertilidade decorrentes de complicações.

O diagnóstico é realizado de forma diferencial com outras formas de aborto, além de exames laboratoriais (principalmente da urina), dados clínicos e epidemiológicos.

O tratamento através de estreptomicina visa impedir a septicemia (disseminação por todo o organismo), consequentemente controlando a contaminação do ambiente. 

A vacinação de todos os animais (em rebanhos de incidência alta) deve iniciar em todos os bezerros de 4 a 6 meses de idade, seguidas por vacinações anuais (sempre com vacinas que abrangem o maior grupo de leptospiras.). A primovacinação (1ª vez) precisa de um reforço com 3-4 semanas de intervalo.

Como vacinação estratégica, pode ser realizada 1 (um) mês antes da estação reprodutiva.

6.4.2.3. IBR-IPV

Rinotraqueíte infecciosa bovina (IBR) e Vulvovaginite pustular (IPV) fazem parte do complexo Herpesvírus bovino, causadas pelo HVB tipo-1, responsáveis por abortos entre outras enfermidades. O HVB pode produzir uma variedade de manifestações clínicas como a mastite (inflamação do úbere), conjuntivite (inflamação da conjuntiva), balanopostite (inflamação da glande e do prepúcio), doenças estas que podem ocorrer em um mesmo surto, com animais distintos.

A IBR é a forma respiratória, ocasionando febre e lesões de transtorno nas vias superiores do animal, com quadros respiratórios graves (as vezes) em animais jovens.

A IPV é uma infecção da mucosa vaginal e da vulva que manifesta-se por edema, secreção com exsudato, pústulas de conteúdo mucopurulento, transtorno no ato da micção, endometrites, repetições de cio e infertilidade temporária por período igual ou superior a 60 dias, quando retorna o ciclo estral normal e fértil.

A infecção nos touros possui caráter importantíssimo na disseminação da enfermidade através da cópula, com lesões no pênis e prepúcio, além do sêmen contaminado, os touros transmitem, a cada monta, o vírus às fêmeas sadias.

A Inseminação Artificial pode transmitir a enfermidade se o sêmen estiver contaminado.

O aborto (seguido de retenção de placenta) ocorre normalmente, no terço final da gestação, onde associados a este, estão os sinais clínicos de conjuntivite, rinotraqueíte, vulvovaginite, ou ainda, isentos dos mesmos.

Uma vez diagnosticada a enfermidade devemos proceder a vacinação dos que ainda são jovens e repetindo a vacinação anualmente para manter a imunidade. Para fêmeas adultas, a vacinação deve acontecer no início da estação reprodutiva.

6.4.2.4. BVD

A Diarréia Viral Bovina (do gênero pestivirus) é um complexo de doenças associadas com a infecção pelo vírus da BVD que diminui a imunidade. Virose também conhecida por causar desordens reprodutivas, sendo que a infecção fetal (transplacentária) pode levar à morte embrionária, ou até defeitos congênitos (nascidos com o indivíduo, como a microencefalia, hidrocefalia, hipoplasia cerebral, defeitos oculares), surtos de diarréia, abortos, entre outros. 

A infecção com o vírus da BVDV ocorre através das vias nasal ou oral, podendo ocasionar a morte do animal (jovem ou adulto) e o nascimento de animais pouco desenvolvidos que podem tornar-se portadores da enfermidade. 

Os animais infectados (com a introdução no rebanho de animais comprados, principalmente) liberam continuamente o vírus através de suas secreções e fluídos corporais, transmitindo lentamente a infecção entre os bovinos, disseminando primeiramente os animais mais próximos, de forma que a identificação e o isolamento dos animais por 3 semanas, diminuem as chances de um surto de BVDV.

O sinal clínico de aborto é o mais difícil para se diagnosticar, o que pode ocorrer semanas após a instalação do vírus em animais vacinados ou não e, que às vezes, não tenham demonstrado outros sinais clínicos da enfermidade, além da necessidade do diagnóstico diferencial das outras causas de aborto.

O controle pode ser efetuado através de vacinas inativadas (seguindo o esquema do fabricante), geralmente associadas a outros agentes infecciosos como a parainfluenza. Como vacinação, pode ser realizada em animais de 8 a 12 meses e estrategicamente 1 (um) mês antes da estação reprodutiva.

6.4.2.5. TRICHOMONOSE

É doença infecciosa e sexualmente transmitida, causada pelo Trichomonas foetus que afeta fêmeas e machos em idade reprodutiva, causando morte embrionária, aborto, endometrites, piometras, ou fetos macerados, como conseqüências diretas, pois o maior prejuízo está na diminuição de nascimentos e na demora do estabelecimento da prenhez, como forma indireta.

A principal via de transmissão acontece durante a cópula (monta) onde o macho infectado contamina a fêmea ou é contaminado por esta, ou ainda, através da Inseminação Artificial com sêmen contaminado.

O aborto pode ocorrer normalmente até o quarto mês de gestação, mas a característica mais marcante é o grande número de repetições de cio, ciclos estrais irregulares, baixo índice de concepção, corrimentos vaginais com fluído claro ou amarelado.

O tratamento das fêmeas é praticamente ineficaz e desnecessário, pois a maioria destas recupera-se após um descanso sexual. Prostaglandinas podem ser usadas no sentido de fazer uma "limpeza" do útero e regularizar o ciclo estral.

Os machos contaminados, com idade superior a 5 ou 6 anos devem ser descartados, pois geralmente tornam-se portadores disseminando a doença.

Vacinas inativadas podem ser usadas em touros jovens para evitar a propagação da enfermidade, mas o tratamento mais eficaz para as fêmeas é o uso da Inseminação Artificial com sêmen de reprodutores isentos da enfermidade, ou o repouso sexual por mais de 90-100 dias, o que economicamente, não é interessante.

6.4.2.6. CAMPILOBACTERIOSE

Enfermidade assim denominada por ser causada por espécies do gênero Campilobacter fetus subesp. venerealis, sendo também uma doença venérea, exclusivamente de bovinos que não causa nenhum mal aos machos, mas inflamações no trato genital feminino podendo levar até a infertilidade, passando por baixa taxa de natalidade, endometrite, aborto entre o 4° e o 7° mês de gestação.

O desempenho reprodutivo das fêmeas pode sugerir a presença da enfermidade, sendo que os sinais clínicos se assemelham à tricomonose e de outras doenças infecciosas do aparelho genital.

O tratamento em bovinos é desaconselhável, pois os resultados são insatisfatórios e antieconômicos, salvo em condições especiais, quando podem ser tratados com estreptomicina. A principal medida é o uso de Inseminação Artificial como tratamento de eleição.